Portal Caparaó

carregando...

COLUNISTAS

Há um famoso ditado popular, muito usado no mundo corporativo, onde diz que “santo de casa não faz milagre”. Este ditado é utilizado normalmente quando um colaborador deseja afirmar que não há reconhecimento pelo trabalho, projeto ou evento desenvolvido por alguém interno e somente profissionais externos motivarão a presença, atenção e adesão ao novo projeto ou mudanças propostas.

Realmente existe um receio institucionalizado, junto aos próprios colaboradores que desejam algo novo, algo para crer. Sempre em busca de algo externo por acreditar que o jardim do vizinho é mais verde, esquecem de regar o próprio jardim. Limitam o desenvolvimento de colaboradores de sua equipe e de si próprio.

A visão de alguém de fora com certeza é válida, necessária e importante. Palestras, treinamentos, coaching, consultorias terceirizadas obviamente ajudam muito. Mas os colaboradores também podem estar muito capacitados a desenvolverem projetos, assumirem responsabilidades e apresentarem idéias interessantes, motivadoras e criativas que gerem resultados para a organização.

Os multiplicadores internos após a experiência adquirida junto à empresa, ao mercado e treinamentos de capacitação profissional pelos quais passaram, são as melhores “ferramentas de manutenção” que uma empresa pode apresentar.

A empresa faz algumas “orações”, esperando que sejam solucionados alguns de seus problemas e ela obtenha melhores resultados. Neste momento, os “santos” visitantes (consultoria por exemplo) vão até a empresa e realizam um diagnóstico apresentando sugestões de melhoria.

Os “santos” visitantes têm um período curto para permanecer no local, então, preparam os “santos” de casa para que entendam como definir padrões, ordem de prioridades e como se reunirem com os demais e definirem onde e como dar andamento ao trabalho iniciado objetivando o resultado almejado.

Após a saída destes “santos” visitantes os “santos” de casa acompanham tudo o que está acontecendo na empresa e fazem os “milagres” acontecerem conforme esperado. Porém, não são considerados os santos milagreiros!

Santo que é bom não é o santo que é lembrado mas o que faz o milagre.  Então aproveite para acender uma vela de reconhecimento e agradecer e incentivar seu “santo” de casa pois ele ficará muito feliz com este reconhecimento.

Compartilhar

Últimas Colunas

Wagner Campos

Especialista em Marketing e Palestrante Motivacional em Vendas e Liderança. É Professor de MBA em Marketing e Vendas, MBA em Gestão de Pessoas, Professor nos Cursos de Administração e Tecnologia em Marketing. Especialista em Marketing, Logística e Ensino Superior. Contribuiu com empresas como Ambev, Unibanco, Whirlpool Eletrodomésticos e Sebrae. É autor do Livro "Vencendo Dia a Dia".