Portal Caparaó

carregando...

SAÚDE

11/01/2017 - Atualizado em 12/01/2017 17h41

Secretaria de Saúde divulga providências sobre Febre Amarela

MANHUAÇU (MG) - Diante dos casos de Febre Amarela na região de Caratinga e Ipanema, a Secretária de Saúde de Manhuaçu, Karina Gama dos Santos Sales, concedeu entrevista nesta terça-feira, 10/01, sobre as medidas que estão sendo adotadas no município.

No dia 09/01 a Secretaria de Estado de Saúde relata que foram notificados 23 casos suspeitos, sendo que destes 16 são casos prováveis de febre amarela, cujos pacientes apresentaram critério de caso suspeito, segundo o Guia de Vigilância em Saúde e com exame laboratorial preliminar reagente. Desses 23 casos suspeitos, 14 evoluíram para o óbito (porém ainda não há confirmação da causa dos óbitos). Alguns dos casos são dos municípios de Caratinga e Ipanema motivo pelo o qual a secretaria municipal está intensificando a vigilância e prevenção da febre amarela no município.

É importante ressaltar que até o momento em Manhuaçu não há registro de casos suspeitos.

VACINAÇÃO NÃO ESTÁ PREVISTA

Karina Gama dos Santos Sales explica que a vacinação é feita na rotina das Unidades Básicas de Saúde de acordo com o Calendário Nacional de Imunização.

A primeira dose da vacina é administrada na criança aos nove meses de idade e o reforço aos 4 anos. A partir de 5 anos, aquelas pessoas que só tenham tomado uma dose, devem tomar uma dose de reforço.

Pessoas acima de 5 anos que nunca foram vacinadas deverão tomar uma dose e um reforço após 10 anos.

Sobre o questionamento se haverá vacinação, Karina Gama, explica que “somente os municípios com casos suspeitos têm a orientação de intensificar a vacinação contra a febre amarela, conforme orientação que recebeu da Secretaria Estadual de Saúde”. Manhuaçu não tem registro de casos suspeitos.

As ações estão sendo articuladas com a Gerência Regional de Saúde e a Secretaria de Estado de Saúde. Se for determinada uma campanha de vacinação, a ação será divulgada pelos meios oficiais.

PREVENÇÃO

O que é certeza e não muda é a forma de se prevenir. A intenção agora é evitar ao máximo que os possíveis casos da doença em zonas rurais cheguem às cidades por meio do mosquito Aedes aegypti. A missão principal é exterminar os focos de água parada, evitando sua proliferação.

“A equipe da Vigilância Ambiental da secretaria municipal está intensificando as ações de combate ao vetor urbano que é o mosquito Aedes e realizando ações de bloqueio nos casos de doenças transmitidas por esse vetor: a dengue, a zika e a febre chicungunya, e febre amarela”, pontua a secretária de saúde.

As equipes de saúde farão a vigilância dos casos suspeitos da doença e da possibilidade de os moradores encontrarem macacos mortos. “Caso isso ocorra, a Vigilância Ambiental deve ser comunicada para proceder com as ações pertinentes para o caso. Nas áreas rurais, próxima às matas, a orientações é eliminar possíveis criadouros dos insetos transmissores silvestres. O uso de tela mosquiteiros, identificação de macacos mortos e o encaminhamento de pacientes com sintomas suspeitos ao serviço de saúde são indispensáveis.”, concluiu Karina Gama dos Santos.

De acordo com a Secretaria de Saúde de Manhuaçu, todas as Unidades de Saúde estarão recebendo pacientes com sintomas e fazendo todo encaminhamento necessário.

SINTOMAS

A Febre Amarela é transmitida por mosquitos em áreas urbanas e silvestres. Nas áreas florestais, o transmissor é o Haemagogus ou o Sabethes. Já no meio urbano, nas cidades, a transmissão se dá através do mosquito Aedes aegypti, o mesmo da dengue.

Uma vez infectado pela doença, de três a seis dias após a picada do inseto o paciente começa subitamente a ter febre alta, mal estar, dor muscular intensa, diarreia, vômito, e que podem ser confundidos com a dengue ou até mesmo com uma gripe forte.

Caso o paciente tenha alguns desses sintomas, a recomendação é procurar pela unidade de saúde mais próxima.

Secretaria de Comunicação Social

Compartilhar

Comentários

O Portal Caparaó não se responsabiliza por qualquer comentário expresso no site ou através de qualquer outro meio, produzido através de redes sociais ou mensagens. O Portal Caparaó se reserva o direito de eliminar os comentários que considere inadequados ou ofensivos, provenientes de fontes distintas. As opiniões são de responsabilidade de seus autores.