Portal Caparaó

carregando...

ECONOMIA

27/04/2017 - Atualizado em 27/04/2017 14h08

Câmara pede que agência dos Correios de Realeza continue funcionando

REALEZA / MANHUAÇU (MG) - Nos últimos cinco anos, os Correios viram o volume de entregas cair 16,3% e saíram de um lucro de R$ 1,1 bilhão (2012) para um prejuízo de R$ 2 bilhões no ano passado. Para tentar sanear as perdas, a estatal está buscando alternativas para cortar gastos e criar novas fontes de receitas. Um pacote de reestruturação deve ser anunciado ainda neste mês, incluindo fusão de agências, com fechamento de 250 pontos de atendimento, sendo 32 em Minas Gerais, até o fim deste ano. Uma das unidades na lista é a agência do distrito de Realeza que tem data para fechar marcada para o dia 31 agosto. Já a Câmara de Manhuaçu busca manter a unidade funcionando.

 “Um dos focos é ampliar a atuação no segmento de encomendas expressas. Outra prioridade é aproveitar a capilaridade de 6.500 agências no país para explorar novos negócios. Entre as opções em análise estão o lançamento de uma loteria postal e a oferta de um escopo mais amplo de serviços públicos”, anunciam os Correios, por meio da assessoria de imprensa.

O presidente dos Correios, Guilherme Campos, confirma que já deu início ao processo de fechamento das agências e destaca que está em busca de novas soluções para equilibrar as contas. Segundo Campos, grande parte do rombo vem do plano de saúde, que atende servidores e dependentes. Ele destaca que a estatal subsidia 93% do valor e que esse modelo é insustentável. “É impossível manter isso no orçamento da empresa. A direção não quer acabar com o plano, mas é preciso mudar. O plano de saúde dos funcionários está matando os Correios”, disse Campos, em uma audiência pública na Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática da Câmara dos Deputados, no fim de março.

FUSÃO

Até o dia 28 de abril já devem ser fechadas quatro agências em Ipatinga, Poços de Caldas, Uberaba e João Monlevade. Depois, há datas que se estendem até o final de novembro. A agência de Realeza será fechada no dia 31 de agosto, segundo o calendário divulgado. Entretanto, a assessoria de imprensa da estatal ressalta que o cronograma está sendo revisto. Os funcionários ainda não sabem o que acontecerá com eles, mas, com medo, evitam falar do assunto.

Segundo Campos, não haverá demissão. “Todos os empregados das unidades envolvidas serão remanejados”, explica. Os Correios afirmam que a rede será enxugada apenas em municípios com mais de 50 mil habitantes, onde há superposição de unidades. O objetivo é tornar o atendimento da empresa mais eficiente. “Em todo o país, cerca de 250 agências passarão pelo processo de fusão, ou seja, apenas 2% da rede de atendimento. Isso significa que 98% das agências seguirão prestando serviços normalmente”, informa por meio de nota.

Reação

O Presidente da Câmara de Manhuaçu, Jorge Augusto Pereira (Jorge do Ibéria), disse que a Câmara encaminhou solicitação ao deputado João Magalhães e à direção dos Correios em Minas Gerais no sentido de que a agência de Realeza não seja fechada.

“Estamos nos mobilizando na tentativa de evitar que a agência de Realeza seja fechada. É a única unidade própria nos distritos e está num ponto estratégico para a região. Acredito que é possível que os Correios revejam essa postura e mantenham a agência funcionando”, contou.

O vereador José Eugênio também argumentou que na cidade de Manhuaçu o serviço está centralizado em apenas uma agência e, com o encerramento de Realeza, irá sobrecarregar mais ainda. “Está agendada uma reunião nesta sexta com o deputado João Magalhães e a direção dos Correios. Estamos buscando uma alternativa. Realeza e os distritos precisam do serviço”, reforçou.

Carlos Henrique Cruz - carlos@portalcaparao.com.br

Compartilhar

Comentários

O Portal Caparaó não se responsabiliza por qualquer comentário expresso no site ou através de qualquer outro meio, produzido através de redes sociais ou mensagens. O Portal Caparaó se reserva o direito de eliminar os comentários que considere inadequados ou ofensivos, provenientes de fontes distintas. As opiniões são de responsabilidade de seus autores.