Portal Caparaó

carregando...

ECONOMIA

08/11/2017 - Atualizado em 09/11/2017 8h25

Mutum, Taparuba, Santa Rita e Santa Bárbara podem fazer parte da SUDENE

REDAÇÃO - O número de municípios mineiros na área da Superintendência do Desenvolvimento do Nordeste (Sudene) pode ter aumento de 50%. Na noite de terça-feira (31), foi aprovado na Câmara dos Deputados o Projeto de Lei Complementar (PLC) 76/07, que inclui 81 cidades mineiras na abrangência do órgão. Atualmente, 161 municípios do Estado já fazem parte da área da Sudene. O projeto ainda depende de apreciação do Senado.

Aimorés, Mutum, Pocrane, Taparuba, Inhapim, São Domingos das Dores, Imbé de Minas, Santa Rita de Minas e Santa Bárbara do Leste estão na lista.

Para o presidente da Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais (Fiemg), Olavo Machado Junior, a medida é positiva e atrai investimentos para o Estado. Ele ressalta que o fortalecimento da Sudene é primordial para que a aprovação do projeto surta o efeito desejado.

Ao entrarem para a área da Sudene, os municípios passam a ter acesso a linhas de crédito especiais, incentivos fiscais, recursos do Fundo Constitucional do Nordeste (FNE), ou seja, medidas que podem atrair empresas, aumentar emprego e renda. As cidades podem se integrar ao órgão por terem condições climáticas semelhantes às do semiárido.

Há vários anos, muitos municípios lutam para entrar na área da Sudene e alegam que têm características para tal, por estar em região árida, ter índice de Desenvolvimento Humano (IDH) abaixo da média do Estado e ter população com renda per capita baixa.

O deputado federal Fábio Ramalho (PMDB) reforça que, com a aprovação do PLC 76/07, mais agricultores e empresados passam a ter acesso a melhores condições de financiamentos em Minas. Ele informa que até estudantes sairão ganhando, já que os juros do Fundo de Financiamento Estudantil (Fies) para cidades na área da Sudene passarão a ter taxas menores.

Deputados contrários à medida alegam que municípios mais necessitados do Nordeste do País podem sair perdendo.

INCLUÍDOS

Além de 81 municípios de Minas, o PLC 76/07 inclui na área da Sudene três cidades do Espírito Santo. As cidades mineiras que constam do projeto são: Açucena, Água Boa, Aimorés, Alpercata, Alvarenga, Bonfinópolis de Minas, Braúnas, Cantagalo, Capitão Andrade, Carmésia, Central de Minas, Coluna, Conselheiro Pena, Coroaci, Cuparaque, Divino das Laranjeiras, Divinolândia de Minas, Dom Bosco, Dores de Guanhães, Engenheiro Caldas, Fernandes Tourínho, Frei Inocêncio, Frei Lagonegro, Galileia, Goiabeira, Gonzaga, Governador Valadares, Guanhães, Imbé de Minas, Inhapim, Itabirinha de Mantena, Itanhomi, Itueta, Jampruca, José Raydan, Mantena, Marilac, Materlândia, Mathias Lobato, Mendes Pimentel, Mutum (foto acima), Nacip Raidan, Naque, Natalândia, Nova Belém, Nova Módica, Paulistas, Peçanha, Periquito, Piedade de Caratinga, Resplendor e Sabinópolis.

Além desses, estão ainda Santa Bárbara do Leste, Santa Efigênia de Minas, Santa Maria do Suaçuí, Santa Rita de Minas, Santa Rita do Itueto, Santo Antônio do Itambé, São Domingos das Dores, São Félix de Minas, São Geraldo da Piedade, São Geraldo do Baixio, São João do Manteninha, São João Evangelista, São José da Safira, São José do Divino, São José do Jacuri, São Pedro do Suaçuí, São Sebastião do Anta, São Sebastião do Maranhão, Sardoá, Senhora do Porto, Serra Azul de Minas, Sobrália, Taparuba, Tarumirim, Tumiritinga, Ubaporanga, Uruana de Minas, Virginópolis e Virgolândia.

Do Espírito Santo entram na Sudene as cidades de Aracruz, Itarana e Itaguaçu.

ABRANGÊNCIA

A Sudene abrange totalmente os estados do Maranha. Piauí, Ceará, Rio Grande do Norte, Paraíba, Pernambuco, Alagoas, Sergipe e Bahia. O órgão já atende a 161 cidades de Minas e 26 do Espírito Santo.

Carlos Henrique Cruz - Com informações do Diário do Comércio

Compartilhar

Comentários

O Portal Caparaó não se responsabiliza por qualquer comentário expresso no site ou através de qualquer outro meio, produzido através de redes sociais ou mensagens. O Portal Caparaó se reserva o direito de eliminar os comentários que considere inadequados ou ofensivos, provenientes de fontes distintas. As opiniões são de responsabilidade de seus autores.