Portal Caparaó

SAÚDE

27/01/2018 - Atualizado em 29/01/2018 11h22

Diretor da GRS fala da situação da Febre Amarela na região

MANHUMIRIM (MG) - Os casos registrados de Febre Amarela em todo o país têm despertado muita preocupação nas pessoas e nas autoridades de saúde. Só nos primeiros dias do ano de 2018, o estado de Minas Gerais já registrou 25 mortes por causa da doença. Ao todo foram 47 diagnósticos no estado, sendo que, 22 pacientes continuam internados. Só na Zona da Mata Mineira já são seis casos de óbito. Esses dados foram divulgados pelo boletim epidemiológico emitido pela Secretaria de Estado da Saúde.

Em entrevista concedida na tarde quarta-feira, 24, o diretor da Gerencia Regional de Saúde, Ronaldo Lopes Corrêa, falou sobre a atual situação da Febre Amarela na região. Segundo o diretor a situação está controlada, mas ainda requer atenção. “No ano passado a situação na nossa região despertou mais cuidados. Agora está controlado, mas não podemos perder o foco” – disse Ronaldo Lopes. Acrescentou que a vacina é a única forma de imunizar com eficácia. “O protocolo estabelecido pelos órgãos de gestão da saúde pública no Brasil afirmam que uma única dose da vacina é suficiente para imunizar uma pessoa para toda a vida. Quem participou das campanhas do ano passado está seguro. Porém, que ainda não vacinou, deve procurar as unidades de saúde para receber o medicamento. Desta forma, quero conclamar a população da nossa região, para que possa fazer uma busca ativa dentro da família, do ciclo de amizades, para descobrir se ainda tem alguém que não foi vacinado. Fizemos uma cobertura ampla na nossa região, mais ainda não atingimos o número necessário de pessoas imunizadas. Das 34 cidades que estão sobre a responsabilidade da Gerencia Regional de Saúde de Manhumirim, 85% da população já foi vacinada. Desejamos ultrapassar 90% que é a meta indicada pela Secretaria de Estado da Saúde” – informou.

A vacina está disponível nos municípios da regional

O diretor da GRE garante que nenhum município da regional está sem disponibilidade da vacina. Além disso, a sede em Manhumirim conta com um estoque de doses para atender a cidade que solicitar. “Não podemos descuidar e por isso estamos em constante campanha para que o máximo de pessoas seja vacinado. Não temos nem um caso de febre amarela confirmado nesse início de ano na região,  mas próximos a nós temos casos chamados de episodia, que é o encontro de macacos mortos, ainda sem a confirmação da causa morte do animal. Temos um registro de animal encontrado morto em Caparaó, Durandé e São João do Manhuaçu. Nesses municípios classificamos como categoria dois, ou seja, onde devemos intensificar ainda mais a vacinação” – alertou Ronaldo Lopes.

No ano de 2017 o hospital César Leite foi referência na região por conta o excelente trabalho que foi prestado por parte de todas as pessoas que se envolveram no combate à Febre Amarela. “A direção e corpo clínico do HCL foram muito determinados e com isso conseguimos salvar muitas vidas na região. Por esta razão o índice de mortalidade foi muito menor que em outras localidades do estado. Sendo assim, o Subsecretário de Políticas e Ações da Saúde, Homero Cláudio Rocha Souza Filho, me encarregou de negociar com o hospital César Leite. Queremos que o mesmo seja referência novamente, no que tange o tratamento de casos suspeitos e confirmados de febre amarela na regional de Manhumirim e também no apoio a Ponte Nova” – destacou.

Ronaldo Lopes afirma que dois pacientes provenientes da regional de Ponte Nova já se encontram internados no UTI do HCL, provenientes das cidades de Viçosa e Guaraciaba. E registra que o hospital de Manhuaçu tem colaborado muito com o estado. “Temos um dos melhores hospitais de Minas Gerais e uma direção sensível às necessidades do povo mineiro. Quero agradecer à direção que se prontificou a compartilhar as experiências e abrindo as portas para que de fato possa acolher pessoas de outros municípios, que não somente da nossa microrregião” – finalizou.

As regionais de Manhumirim e Ponte Nova formam a chamada região ampliada Leste-Sul. Havendo casos suspeitos ou confirmados nessa região, o paciente será trazido para o Hospital César Leite. Enquanto isso, equipes de técnicos envolvidos no combate à febre amarela estão recebendo constantes treinamentos. No próximo dia 30 de janeiro, na sede da GRE Manhumirim, vai acontecer um encontro com profissionais da área das 34 cidades. O objetivo é atualizar as informações sobre a prevenção e combate à doença.

Compartilhar

Comentários

O Portal Caparaó não se responsabiliza por qualquer comentário expresso no site ou através de qualquer outro meio, produzido através de redes sociais ou mensagens. O Portal Caparaó se reserva o direito de eliminar os comentários que considere inadequados ou ofensivos, provenientes de fontes distintas. As opiniões são de responsabilidade de seus autores.