Portal Caparaó

AGRONÉGOCIOS

07/11/2018 - Atualizado em 08/11/2018 10h36

Café de Santa Margarida vence o 5º Concurso Força Café

SANTA MARGARIDA (MG) - Cafeicultores assistidos pelo Senar Minas no programa de Assistência Técnica e Gerencial (ATeG Café) garantiram boas colocações no 5º Concurso de Qualidade de Café – Projeto Regional Força Café, da Hanns R. Neumann Stiftung do Brasil. O destaque foi para Elieser Carmelito da Silva, de Santa Margarida, que conquistou o primeiro lugar na Categoria Natural – Geral, com 86,75 pontos.

Ele também garantiu o segundo lugar na categoria natural da região das Matas de Minas e a terceira colocação na categoria Cereja Descascado – Geral (veja a classificação completa abaixo). O café da esposa de Elieser, Rosângela Moura Alves, também ficou bem posicionado: 4º lugar no geral de Cereja Descascado, 3º na categoria natural das Matas de Minas e 7º no geral da categoria Natural.

Elieser e o irmão trabalham juntos, e o Café Fazenda Carmelito é cultivado em Santa Margarida, no Córrego São Félix. Os de qualidade ficam em altitude entre 1000 e 1300 metros. A família já tem tradição em premiações em concursos. Além do Força Café, já conseguiu vencer ou ficar entre os finalistas em concursos da Emater, Coocafé e o Coffee of the Year.

 “É um orgulho muito grande. Desde 2014 estamos conseguindo boas colocações. Investimos os recursos de prêmio que temos conquistado em construções na propriedade, como a instalação de estufas. No ano passado, com o dinheiro fruto da colocação do café da minha esposa, iniciamos a construção de um laboratório, que será um espaço de prova e para receber os visitantes”, contou Elieser.

A família conta com o programa do Senar Minas para melhorar a qualidade e a parte financeira. “Nesse caminho, o programa tem nos ajudado a melhorar a qualidade e na sustentabilidade orçamentária. O técnico Tadeu tem nos orientado bastante, ajudando-nos em análise de solo, adubação e no financeiro”, destacou.

Para o técnico Tadeu Vieira Otoni, o programa tem contribuído muito para a melhoria da produtividade. “Outro ponto muito importante é com relação ao conhecimento do custo de produção. Tinham um custo muito alto e o ATeG proporcionou o conhecimento desse custo. Daí os produtores se dedicaram a melhorar ainda mais a qualidade, uma vez que o custo das instalações e da mão-de-obra precisavam ser compensados”, explicou.

Já a técnica Jéssica Carmo acompanha um grupo de mulheres na região das Matas de Minas, incluindo Valquíria Bastos. Ela e o marido Rafael Bastos Silva garantiram o segundo lugar na categoria geral de Cereja Descascado.

 “É muito gratificante ver o reconhecimento de produtores dedicados como esses, que, além de buscarem a produtividade da lavoura, acreditam na agregação de valor do café. Observamos que tais pilares e o trabalho conjunto do ATeG na construção do planejamento estratégico e aplicação do ciclo de melhoria contínua da propriedade os auxiliam nas tomadas de decisões e a estarem aptos a concorrer nesse nicho de mercado que se torna mais competitivo a cada ano”, analisou a técnica.

ATeG Café

O programa, inédito no estado, atende 600 produtores das Matas de Minas e Sul do estado em 42 municípios. O objetivo é trabalhar junto ao produtor, oferecendo-lhe tecnologias e consultorias que visam o crescimento da produção com qualidade e menor custo.

Cada técnico acompanha um grupo de 30 cafeicultores com visitas mensais. O trabalho engloba diagnóstico produtivo individual, planejamento, gestão e avaliação dos resultados obtidos.

O concurso

Pelo quinto ano, a Hanns R. Neumann Stiftung do Brasil realizou o concurso anual “Força Café” Coffee Championship 2018, em colaboração com a NKG Stockler e a Fazenda da Lagoa, em Santo Antônio do Amparo.

Um total de 265 lotes de café produzidos por agricultores familiares e preparados por via natural e cereja descascado foram recebidas para o concurso. Os cafés vieram das regiões onde atua o Programa “Força Café”: Matas de Minas, Circuito das Águas, Campos das Vertentes e Mar de Minas Gerais. Dessas, 70 amostras passaram a pré-seleção e foram apresentadas no evento final, neste mês.

Os cafés foram degustados por um grupo de representantes de empresas importadoras e torrefadoras de diversos países, tais como: a Luigi Lavazza da Itália, a KLD Coffee Importers da Rússia, a Bero Polska e a Cukiernia Sowa da Polónia, a Interamerican Coffee-USA e a Barista Magazine dos Estados Unidos de Norteamérica, a Die Rösterei e a Interamerican Coffee-Hamburg de Alemanha.

Veja as colocações dos assistidos:

Categoria Natural – Geral:

1° - Elieser Carmelito da Silva - Matas de Minas - 86,75

7° - Rosângela Moura Alves - Matas de Minas - 84,75

Cereja Descascado – Geral:

2° - Rafael Bastos Silva - Matas de Minas - 85,65

3° - Elieser Carmelito da Silva - Matas de Minas - 85,08

4° - Rosângela Moura Alves - Matas de Minas - 85,05

Região Matas de Minas – Categoria Natural:

2° - Elieser Carmelito da Silva - Santa Margarida - 84,53

3° - Rosângela Moura Alves - Santa Margarida - 84,38

Senar Minas - Com informações da Hanns R. Neumann Stiftung do Brasil

Compartilhar

Comentários

O Portal Caparaó não se responsabiliza por qualquer comentário expresso no site ou através de qualquer outro meio, produzido através de redes sociais ou mensagens. O Portal Caparaó se reserva o direito de eliminar os comentários que considere inadequados ou ofensivos, provenientes de fontes distintas. As opiniões são de responsabilidade de seus autores.